Telhado aparente ou embutido?
07 Apr 2013-
Telhado aparente ou embutido?

Desde crianças desenhamos as nossas casinhas com telhado, chaminé, uma graminha na frente, sol brilhando no céu e etc. Isso acontece porque culturalmente no Brasil temos a imagem mental da casa (signo) equivalente a este formato. Herança da arquitetura colonial, as casas com telhas de barro constituem a grande maioria das casas em todo o país.

 

É claro que existem muitos benefícios nesta solução técnica, tais como proteção das paredes contra as águas das chuvas; um bom condicionamento térmico; e a mão de obra generalizada já acostumada com o sistema construtivo. Porém é importante lembrar que também existem desvantagens como: problemas de vazamentos caso a inclinação mínima não tenha sido corretamente executada; vazamentos em calhas, cumeeiras e rufos; material (madeiras e telhas) de má qualidade; e principalmente o custo mais elevado.

 

telhado 1 telhado 2

Por outro lado existem as casas em estilo contemporâneo. O público em geral satiriza e desqualifica a arquitetura contemporânea comparando-a com “caixotes”, alegando não se parecerem com casa parece com comércio, entre outras colocações que remetem ao signo-casa citado anteriormente. Muitas vezes a pessoa tem em seu subconsciente a imagem da casa da avó ou dos pais e nem sequer abre a possibilidade para avaliar as opções.

Mas porque os arquitetos insistem nessas casas sem telhado aparente?

Primeiramente porque em termos de volumetria estética, esse tipo de arquitetura permite uma flexibilidade e variedade de formas muito maior que as casas com telhado. O telhado invariavelmente se torna a forma da casa. O telhado é um imenso chapéu, às vezes com muitas águas e níveis, que esconde a forma verdadeira da casa. Assim, a volumetria desenvolvida em projeto pode ser melhor explorada em termos de perspectiva e fachadas, com uso de formas e texturas, variações nas aberturas de janelas e portas de modo que a arquitetura da casa seja ainda mais EXCLUSIVA.

Esta exclusividade é exatamente o segundo ponto pela qual o estilo de arquitetura sem o telhado aparente é preferido. Imagine a sua rua, seu condomínio, seu bairro. Pense nas casas existentes. A figura de telhados vem à mente imediatamente. Porém quando se está procurando um endereço de alguém ou andando por uma rua residencial qual chama a atenção? Qual se tem certeza de que foi uma casa projetada por arquitetos? Qual é imediatamente valorizada no momento da avaliação pelo corretor de imóveis? Certamente não aquela semelhante à todas as outras.

Platibanda 2 Platibanda 1

Além disso, o sistema construtivo é mais prático e menos dispendioso do que o telhado. Esbarra, porém, na questão da mão de obra que, por não estar acostumada a trabalhar nesse tipo de construção, precisa ser devidamente orientada pelo arquiteto ou engenheiro para que evitem erros construtivos que possam vir a ser problema.

Além dessas duas opções relatadas neste pequeno artigo existem ainda outras formas de construir casas, sistemas construtivos novos e antigos como paredes de gesso, madeira e até isopor jateado com argamassa de cimento. Nos limitamos a estas duas por serem as mais cogitadas entre clientes e arquitetos. É claro que a preferência do cliente deve ser sempre preservada, afinal o seu gosto é o que prevalece na realização do seu sonho. Mas a orientação e a indicação do que existe de mais atual, que pode proporcionar um viver diferente na experiência de habitar uma casa surgida de um conceito fora do paradigma, é sempre dever do arquiteto!

Bem vindo ao At3lier Arquitetura + Empreendimentos

Soluções com criatividade, funcionalidade e racionalidade.

Podemos incluir textos aqui
E aqui também
Se quiser aqui também
E assim por diante
Você entendeu a idéia

Acreditamos que aquitetura não é uma exclusividade da elite.

(ou outro texto qualquer)

Quem somos

At3lier Arquitetura e Empreendimentos têm como missão tornar-se um provedor de solução e satisfação das necessidades e expectativas do cliente com criatividade, funcionalidade e racionalidade mantendo um padrão de qualidade e responsabilidade social contínuo nos serviços de arquitetura e empreendedorismo sem abrir mão da qualidade de vida.
AlecioPBAlecio Lara Rezende
Arquiteto e urbanista formado pela UnB em 2003, com especialização em sustentabilidade arquitetônica também na UnB em 2009. Trabalha na área de arquitetura desde 1998. Já realizou vários projetos de residências nos mais variados tipos de terreno no DF e no litoral da Bahia, fez projetos de reformas de casas e acompanhou as obras solucionando os diversos desafios e atua com muita calma e racionalidade frente aos problemas encontrados. Fez projetos de reforma de fachadas de edifícios residenciais, comerciais e hospitalar.
FabioPBFabio Lapa
Arquiteto e urbanista formado pela UnB em 2005, com especialização em sustentabilidade arquitetônica também na UnB em 2009. Trabalha na área de arquitetura desde 2003. Já realizou projetos de reforma de apartamento, acompanhando sua execução, mantendo os clientes sempre bem informados. Fez projeto e obra de casas, além de projeto de reforma de pilotis de edifício residencial. Também faz projetos de arquitetura de interiores e detalhamento de marcenarias com muita qualidade.
RosanePBRosane Martinez
Arquiteta e urbanista formada pela Universidade de Franca/SP em 2003, com especialização em Teoria e Prática de Projetos Arquitetônicos em 2004 e Arquitetura de Interiores e Cenografia em 2005 ambos também pela Universidade de Franca/SP. Atualmente cursa MBA em Gerenciamento de Projetos em Arquitetura e Engenharia pelo IPOG (Instituição de pós-graduação – BSB). Trabalhou em escritório de arquitetura em Franca/SP por 3 anos; trabalhou em acessibilidade de agências bancárias por um ano e há 4 anos trabalha para uma empresa de engenharia como coordenadora de projetos de arquitetura bancária.

Arquitetura

Nós do At3lier Arquitetura e Empreendimentos decidimos ser arquitetos por motivos semelhantes, ideais estéticos, funcionais e por que não românticos da arte e da técnica aliados? Acreditamos que a arquitetura deve servir a todos como uma colaboração às pessoas e à sociedade para transformar o mundo cada vez num lugar melhor para se viver. Isto envolve desde a estética dos acabamentos do banheiro, passando pela forma/função da casa, até a sustentabilidade urbanística da cidade.

Entendemos que a arquitetura é feita pelos arquitetos para o cliente, desta maneira a satisfação do cliente é o que dá o tom da nossa arquitetura. Usamos nosso conhecimento técnico, nossa experiência no mercado da construção civil e nossas referências arquitetônicas e de acabamentos em prol de orientar o resultado final do nosso trabalho para um alvo: o sonho do cliente, ou seja, aquilo que ele já tem dentro dele quando nos procura mas que por qualquer motivo sente dificuldade em expressar. Em resumo o nosso trabalho é traduzir todo o conjunto de informações (às vezes subconscientes) do cliente com relação à sua expectativa no pós-obra para um projeto, considerando o melhor custo-benefício para alcançar este objetivo.

Acreditamos também que a arquitetura não é uma exclusividade da elite da sociedade, mas que as pessoas mais humildes devem também ter acesso a outro nível de qualidade de vida. Para tanto o At3lier tem um programa social em que de tempos em tempos realizamos projetos de casas, reformas e até consultorias para pessoas que jamais imaginaram poder contratar um arquiteto na vida, achando que seria caro demais para elas.

Por fim, o prazer que sentimos em realizar a nossa arquitetura se reflete na satisfação do cliente, no feedback da pós-ocupação e até mesmo na fidelidade que alcançamos nos nossos relacionamentos com as pessoas que acreditam no nosso trabalho em que temos amor de produzir.

Empreendimentos

O At3lier Arquitetura e Empreendimentos tem se aprimorado para melhor atuar no ramo dos empreendimentos com o desenvolvimento profissional, tipo MBA em um curso em nível nacional conhecido como Gestão de Projetos em Arquitetura e Engenharia.

Um dos seguimentos mais interessantes é o home staging, que pode ser traduzido como valorização de um imóvel, seja residencial ou comercial, de modo a torná-lo atrativo ao maior número possível de potenciais compradores bem como sua valorização financeira.

A valorização de um imóvel pode ser feita, por exemplo, com uma reforma pontual em determinados ambientes, na substituição de determinados revestimentos ou até mesmo na criação de novos espaços como suítes e/ou banheiros. Esses exemplos são opções de valorização de imóvel, criando diferenciais e fazendo melhorias de qualidade que acrescentará valor à sua venda.  Pode-se dizer assim que home staging é obter um máximo de resultados com um mínimo de investimentos.

A atuação do At3lier Arquitetura e Empreendimentos no home staging pode ir além da elaboração dos projetos e alcançar também o nível de parceria no investimento com o investidor, ou seja, aplicando recursos na empreitada para a execução da obra. Essa é uma opção muito vantajosa para o proprietário do imóvel, uma vez que não necessitará de inicialmente arcar com os investimentos de obra e projeto, que somente serão quitados após a venda do imóvel.

Além disto outras parcerias de trabalho/negócios estão surgindo a cada dia. Dentre elas destacamos a parceria com a fábrica de móveis planejados Almeida Sirtoli está no mercado de marcenaria de alta qualidade competindo em pé de igualdade com as melhores do ramo da região.

sertoli

Casa1
Casa1
Empreendimentos
Empreendimentos

Fale conosco

Você pode entrar em contato conosco de diversas formas. Em qualquer uma delas, ficaremos felizes em lhe atender.

Mensagem

Localização

  • Endereço: SAS Qd. 04 - Ed. Victoria Office - Sala 1129 Brasília - DF
  • Email: arquitetura@at3lier.com.br
  • Telefone: 61-3226-3564 | 61-9229-0426
Que tipo de cliente de arquitetura é você?
07 Apr 2013-Uncategorized

 

Você sabe que tipo de cliente você é?

Sim, existem tipos e tipos de clientes e você sabe quais são as categorias ou como elas se classificam ou ainda mesmo em qual delas você se encaixa? Bem, antes mesmo de darmos as devidas explicações para tantas perguntas vamos por partes e, primeiramente, explicar a origem disso tudo, ok?

A Winehouse, uma agência de comunicação brasileira com sede em Porto Alegre, realiza estudos em causas comportamentais para criar conteúdos atraentes. Por meio de gráficos criativos e didáticos eles ilustram o comportamento revelando tendências de consumo e de estilo de vida, seja em gastronomia, turismo, moda, arquitetura e etc.

Segundo esses estudos é possível utilizar uma pirâmide gráfica que subdivide as pessoas em três grupos de influências: Alfa, Beta e Mainstream. Em uma explicação de maneira bem simplificada seriam:

Alfa: é a pessoa autêntica, original e que não tem medo de arriscar. É alguém que cria a moda, as tendências e realmente não se importa com o que os outros pensam. Ela sente e faz, é curiosa e vai atrás do novo, experimenta sem medo.

Beta: é uma pessoa antenada, ligada nas últimas tendências. Ela admira o alfa pela sua atitude e o segue assim que percebe a novidade no ar. Se ele gosta de algo, tem o poder de fazer aquilo virar moda, é parte fundamental na disseminação das tendências, um bom exemplo de betas são os editores das revistas e blogs.

Mainstream: é a pessoa mais tradicional. Ela não gosta de surpresas e por isso aposta no garantido. É também o maior grupo de todos estando na base da pirâmide.

É importante salientar que todos somos alfa, beta e mainstream ao mesmo tempo, por exemplo, o alfa em gastronomia, pode ser um beta em carros e um belo mainstream em moda. Vale lembrar também que estes conceitos são efêmeros, são mutantes e podem variar com a geografia também, por exemplo, o mainstream de algo em Nova York pode perfeitamente ser alfa quando comparado a alguém de Brasília. O contrário também funciona, algo que já é super mainstream nas terras do cerrado pode ser algo super alfa na terra do fast food, afinal todos somos tudo!

 

Organizando espaços
07 Apr 2013-Uncategorized

Final de férias… Volta ao trabalho…

E como anda a organização da sua mesa do escritório?

 

Você já notou que diariamente perde minutos preciosos procurando itens espalhados na bagunça?

 

Pois bem, vamos dar fim à bagunça, ganhar mais tempo, espaço, energia e assim melhorar a nossa qualidade de vida.

- Mantenha somente o necessário sobre a mesa de trabalho;

- As gavetas devem estar sempre organizadas. Hoje no mercado temos excelentes acessórios que acomodam canetas, tesouras e outras miudezas;

- Remova dos arquivos e gavetas todos os papéis ultrapassados e sem utilidade;

-Separe os documentos importantes, projetos, relatórios, etc. e os organize em pastas suspensas;

- Aproveite para rotular as pastas com etiquetas coloridas;

- Crie um arquivo morto para guardar documentos pouco utilizados, mas que devem ser mantidos. Estes podem ficar guardados nas prateleiras altas do armário.

- Crie uma área para guardar correspondências a serem lidas e documentos a serem assinados;

- Organize os livros e revistas por autor, assunto ou data de publicação em prateleiras também rotuladas pela categoria escolhida;

- Se desfaça de jornais antigos, pois as notícias de ontem já são ultrapassadas;

- Faça o mesmo com as revistas. Scannei ou recorte as reportagem que achar mais interessante e se desfaça do restante;

- Evite impressões desnecessárias e recicle os papéis jogados no lixo. O meio-ambiente agradece;

- Doe os equipamentos de informática não mais utilizados e antigos;

- Organize os fios dos computadores e demais equipamentos;

- E lembre-se de fazer um back-up dos arquivos do computador semanalmente.

 

Algumas dicas preciosas o ajudarão a atingir este objetivo: O que mais nos satisfaz no processo de organização é a descoberta do que é realmente importante e útil no dia a dia.

A liberdade que é trazida com o ato de saber organizar os espaços e o tempo que podemos ganhar e utilizar com o que realmente nos traz felicidade e satisfação não tem preço.

 

Por Arq. Rosane Martinez

e-mail: rosane_martinez@hotmail.com

twitter: @rosane_martinez

07 Apr 2013-

Desde crianças desenhamos as nossas casinhas com telhado, chaminé, uma graminha na frente, sol brilhando no céu e etc. Isso acontece porque culturalmente no Brasil temos a imagem mental da casa (signo) equivalente a este formato. Herança da arquitetura colonial, as casas com telhas de barro constituem a grande maioria das casas em todo o país.

 

É claro que existem muitos benefícios nesta solução técnica, tais como proteção das paredes contra as águas das chuvas; um bom condicionamento térmico; e a mão de obra generalizada já acostumada com o sistema construtivo. Porém é importante lembrar que também existem desvantagens como: problemas de vazamentos caso a inclinação mínima não tenha sido corretamente executada; vazamentos em calhas, cumeeiras e rufos; material (madeiras e telhas) de má qualidade; e principalmente o custo mais elevado.

 

telhado 1 telhado 2

Por outro lado existem as casas em estilo contemporâneo. O público em geral satiriza e desqualifica a arquitetura contemporânea comparando-a com “caixotes”, alegando não se parecerem com casa parece com comércio, entre outras colocações que remetem ao signo-casa citado anteriormente. Muitas vezes a pessoa tem em seu subconsciente a imagem da casa da avó ou dos pais e nem sequer abre a possibilidade para avaliar as opções.

Mas porque os arquitetos insistem nessas casas sem telhado aparente?

Primeiramente porque em termos de volumetria estética, esse tipo de arquitetura permite uma flexibilidade e variedade de formas muito maior que as casas com telhado. O telhado invariavelmente se torna a forma da casa. O telhado é um imenso chapéu, às vezes com muitas águas e níveis, que esconde a forma verdadeira da casa. Assim, a volumetria desenvolvida em projeto pode ser melhor explorada em termos de perspectiva e fachadas, com uso de formas e texturas, variações nas aberturas de janelas e portas de modo que a arquitetura da casa seja ainda mais EXCLUSIVA.

Esta exclusividade é exatamente o segundo ponto pela qual o estilo de arquitetura sem o telhado aparente é preferido. Imagine a sua rua, seu condomínio, seu bairro. Pense nas casas existentes. A figura de telhados vem à mente imediatamente. Porém quando se está procurando um endereço de alguém ou andando por uma rua residencial qual chama a atenção? Qual se tem certeza de que foi uma casa projetada por arquitetos? Qual é imediatamente valorizada no momento da avaliação pelo corretor de imóveis? Certamente não aquela semelhante à todas as outras.

Platibanda 2 Platibanda 1

Além disso, o sistema construtivo é mais prático e menos dispendioso do que o telhado. Esbarra, porém, na questão da mão de obra que, por não estar acostumada a trabalhar nesse tipo de construção, precisa ser devidamente orientada pelo arquiteto ou engenheiro para que evitem erros construtivos que possam vir a ser problema.

Além dessas duas opções relatadas neste pequeno artigo existem ainda outras formas de construir casas, sistemas construtivos novos e antigos como paredes de gesso, madeira e até isopor jateado com argamassa de cimento. Nos limitamos a estas duas por serem as mais cogitadas entre clientes e arquitetos. É claro que a preferência do cliente deve ser sempre preservada, afinal o seu gosto é o que prevalece na realização do seu sonho. Mas a orientação e a indicação do que existe de mais atual, que pode proporcionar um viver diferente na experiência de habitar uma casa surgida de um conceito fora do paradigma, é sempre dever do arquiteto!

07 Apr 2013-

As principais cidades Sul americanas estão em pleno processo de revitalização de suas zonas centrais depois de décadas de abandono.

Desde o inicio dos anos de 1990, as zonas centrais de grandes cidades da América do Sul estavam degradadas, inseguras, abandonadas e muitas atividade de lazer e cultura, como por exemplo, os cinemas tinham migrado para o interior dos shoppings center, porém nesta mesma década surgiu um movimento de revitalização urbana cujos alvos principais seriam estas zonas centrais.

Em um curto espaço de tempo, o movimento expandiu para diversas outras cidades inclusive para outros paises, que começaram a reorganizar-se e elaboraram um novo planejamento urbano para o uso das zonas centrais, principalmente durante os finais de semana e feriados, períodos que estes centros se encontravam completamente vazios. Esta estratégia tem colhido bons frutos e investimentos em especial para as atividades esportivas, culturais e de lazer.

Hoje é possível reconhecer estas mudanças em algumas das maiores cidades Sul americanas, por exemplo “o corredor cultural” no Rio de Janeiro, a revitalização urbana de Puerto Madero em Buenos Aires e o uso do Rio Mapocho em Santiago de Chile, como indicados nas imagens

foto1foto1foto1

Os investimentos nas áreas de gastronomia, lazer, atividades ao ar livre e esportivas vêm atraído o elemento mais importante nas cidades: As pessoas.

 

Por Fabio Lapa.

07 Apr 2013-

Com o desenvolvimento profissional tipo pós-graduação Strictu Senso realizado na Universidade de Brasília, em um curso em nível nacional conhecido como Reabilita, o At3lier Arquitetura está perfeitamente engajado no movimento global de preservação ambiental na aplicação de princípios sustentáveis aplicados na prática em empreendimentos urbanísticos como condomínios horizontais, condomínios verticais como edifícios comerciais e hotéis e até mesmo em residências unifamiliares.


Em condomínios horizontais, a ação pode ser tomada em diferentes ações, desde o projeto do traçado urbanístico para um novo empreendimento, até a busca pelo selo verde desenvolvido para bairros conhecido como Leed Neigbourhood

Em condomínios verticais além do projeto desenvolvido com os princípios permeando toda a edificação, também pode ser realizado o RETROFIT Predial em que a eficiência energética pode ser aprimorada em uma proporção tal que o investimento “se paga” em um tempo relativamente curto e a partir de então começa a gerar resultados positivos de economia financeira. Além disso a diminuição no consumo de energia favorece, no caso do Brasil, à diminuição de áreas alagadas para geração de energia hidrelétrica. Neste caso também existe a possibilidade de alcance de selo verde.


Em casas alguns conceitos de sustentabilidade arquitetônico-ambiental podem ser utilizados. Como o impacto de uma residência no contexto urbano é muito pequeno, pouco se fala sobre o assunto, porém com a consciência da população cada vez maior, a importância deste tipo de intervenção se torna mais importante até do que em edifícios. Exemplos de itens de fácil instalação em residências que a tornam mais sustentáveis: aproveitamento de água da chuva, fossa ecológica, teto verde, aquecimento solar, descargas de caixa acoplada com acionamento em dois estágios, entre vários outros.


Conforme dito anteriormente o At3lier tem plena capacidade de projetar estas adequações seja em obras novas, reformas ou retrofites, sem com isso onerar o cliente, pois entendemos que isto não se trata de opcionais na construção civil, mas na verdade de itens obrigatórios. Desta forma cabe ao cliente a responsabilidade de optar ou não por soluções que sejam benéficas ao planeta.